No TRT, desembargadora Ana Paola recebe Sinjorba e Sadejorba para discutir acordo global de A Tarde

No TRT, desembargadora Ana Paola recebe Sinjorba e Sadejorba para discutir Acordo Global de A TARDE



Os problemas trabalhistas do Grupo A Tarde e seus reflexos sobre a renovação do Acordo Global com a empresa – de pagamentos das ações trabalhistas – foram tema de reunião mantida na quarta (13), pela manhã, entre a desembargadora Ana Paola Diniz, do Tribunal Regional do Trabalho (TRT), e representantes do Sindicato dos Jornalistas da Bahia (Sinjorba), o presidente Moacy Neves, a diretora jurídica Marjorie Moura, o advogado da entidade Victor Gurgel, e o presidente do Sadejorba (sindicato do setor administrativo de jornais e impressos), Genival Taquari.

O encontro, mantido na sede do Tribunal, em Nazaré, foi motivado por demissões recentes de dois jornalistas do jornal sem pagamento de verbas rescisórias e pela mudança unilateral proposta pela direção de A Tarde em relação ao pagamento de um passivo do acordo combinado entre credores e a empresa, em abril último.

A desembargadora assumiu este mês o setor de conciliação do TRT, que administra os procedimentos de acordo global. Diante dos problemas apresentados pelos sindicatos e da necessidade de renovação do entendimento com A Tarde, prevista para este final de ano, a magistrada decidiu marcar assembleia dos credores de dívidas trabalhistas da empresa para o dia 20 de novembro, no TRT, em horário a ser definido, quando esses assuntos serão tratados.
A atuação do Sinjorba baseia-se em algumas premissas. A primeira é garantir o pagamento de todas as dívidas da empresa com os ex-funcionários, a maioria enfrentando enormes dificuldades. A segunda é exigir que A Tarde continue pagando em dias os salários dos empregados, quite as verbas e benefícios devidos (13º, férias e tíquetes-refeição) e não mantenha práticas anti-trabalhistas, como demitir, propor parcelamento de rescisão em 24 meses e apresentar como alternativa ir procurar a justiça.

Há ainda outras duas. Que sejam restabelecidas relações de trabalho produtivas, com a assinatura dos acordos coletivos de 2018 e 2019, além de negociação com o Sinjorba quando ocorrer demissões. E a quarta, que é saber o que os dirigentes da empresa pensam em relação ao futuro do negócio, afinal de contas, estamos tratando de um jornal com 107 anos, que já foi o maior do Norte-Nordeste. O seu fechamento representaria uma perda para o jornalismo e para a Bahia, que já asisstiu três outros jornais de médio e grande porte fecharem as portas nas últimas duas décadas.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *