Live do Dia de Jornalista traz a experiência de José Raimundo

Nesta quarta (07), Dia do Jornalista, o colega José Raimundo Oliveira, ex-repórter da Rede Bahia e da Rede Globo, foi o convidado para uma live promovida pelo Sindicato dos Jornalistas da Bahia. O evento foi mediado pelo presidente da entidade, Moacy Neves. O bate-papo durou uma hora e tratou o tema “As Mudanças no Mundo do Trabalho e os Desafios do Jornalismo”.
José Raimundo fez um pronunciamento breve sobre o início de sua carreira, ainda na Rede Tupy, antes de sua desativação, em 1980. Depois, a live tomou uma dinâmica de conversa, com o convidado respondendo perguntas do mediador e dos colegas que participaram através do Instagram. No total, quase 100 pessoas estavam ao vivo.
Com mais de 40 anos de carreira, José Raimundo defendeu que os jornalistas precisam se reinventar para encarar os novos desafios apresentados pelo mercado de trabalho. Salientou a necessidade de usarmos a criatividade, sem perder de vista a responsabilidade ética no tratamento da notícia. Ele defendeu que os veículos devem abrir espaço para os novos talentos que estão surgindo no Jornalismo, mas sem abrir mão da experiência de profissionais que ao longo de décadas viveram as transformações que ocorreram na cobertura, apuração e produção jornalística.
Ele, que viveu pessoalmente essas transformações ao longo de mais de quatro décadas de carreira, lembrou das dificuldades que se tinha anteriormente para apurar uma informação, que precisava ser feita de forma presencial ou pelo telefone fixo. E comparou com as oportunidades do momento atual, quando a pesquisa na internet e as tecnologias eletrônicas permitem fazer apurações com mais facilidade ou acessar uma fonte de forma mais rápida.
Sobre os desafios na produção de notícias no tempo em que qualquer pessoa que tem um telefone celular possui uma ferramenta de comunicação, José Raimundo defendeu que a produção de qualidade e ética é o parâmetro para saber quem vai se consolidar. O jornalista acredita que o consumidor desse conteúdo produzido é que vai decidir o que deve perdurar. Sobre as fakenews, um grave problema enfrentado pelo jornalismo nos dias de hoje, o ex-repórter da Globo declarou que a busca do profissionalismo e da checagem devem ser radicalizadas como forma de combater essas notícias fraudulentas.

Referências
Durante a live dezenas de colegas questionaram ou se manifestaram elogiando a carreira e o compromisso de José Raimundo com o jornalismo profissional. Ele agradeceu a todos e ao falar aos novos colegas ele lembrou de jornalistas de televisão os quais foram suas referências, como Lucas Mendes, Hermano Henning, Marcelo Canelas, Francisco José e tantos outros, donos de textos rebuscados e que levavam o telespectador a assistir as matérias do início ao fim.
Zé, como é mais chamado pelos colegas, lamentou não ter feito uma matéria com Dadá, que era membro do grupo de Lampião, mulher de Corisco, segundo na hierarquia da organização. Ele disse que a conheceu já no final de sua vida e se propôs a acompanhá-la até o local onde ela considerava estar escondida uma máquina de costura que havia usado para fazer as roupas dos cangaceiros. Infelizmente, por orientação do médico, a viagem e a pauta tiveram que ser canceladas.
Ao final, denunciou o avanço das ameaças ao jornalismo e aos jornalistas, que considera crimes contra a verdade. Lembrou que já foi abordado por um homem armado numa madeireira na Amazônia, ao cobrir uma pauta sobre extração ilegal de madeira. Mas salientou que isso não o intimidou na profissão e aconselhou os colegas a tomarem cuidados quando ameaçados, mas não deixar de desenvolver o trabalho com coragem e determinação.
A live com José Raimundo faz parte de uma programação do Sinjorba que ocorrerá ao longo mês de abril, para marcar o Dia do Jornalista e o aniversário do Sindicato. Clique aqui e assista a live completa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *